As alergias, as intolerâncias, os mitos e as alternativas

Por Catarina Furtado

Hoje em dia, as compras de supermercado podem ser uma autêntica dor de cabeça para as famílias. As alergias e as intolerâncias alimentares não param de aumentar e a maior parte das vezes já não sabemos o que podemos ou não comer.

Embora pareçam problemas iguais, as intolerâncias alimentares são bem diferentes das alergias; segundo os estudos partilhados pelos especialistas do Continente, são menos graves e mais comuns. Somos intolerantes a um alimento, como à lactose (um hidrato de carbono presente no leite e derivados) ou ao glúten (abundante no trigo, centeio, cevada e aveia), quando o nosso sistema digestivo tem dificuldade ou se mostra incapaz de o digerir, o que na maioria das vezes resulta numa sensação de mal-estar intestinal e náuseas.

Como os sintomas não são muito graves e podem até ser confundidos com uma mera indisposição, há muita gente que pode sofrer de intolerância e ainda não se ter dado conta disso. Por isso, há que estar muito atento aos sinais do organismo.

Alergias e intolerâncias alimentares

Com as alergias o caso é muito diferente porque os sintomas são bem visíveis e, por norma, mais imediatos. Como envolvem o sistema imunitário, as alergias geram reações na pele (inchaços e comichão, por exemplo), podem afetar o sistema respiratório e, em casos muito graves, tocar num alimento alergénico pode causar uma reação extremamente severa (como o choque anafilático: reação alérgica generalizada que pode comprometer os sistemas respiratório e cardiovascular, dando origem à queda da tensão arterial).

Como me indicam os nutricionistas do Continente, em ambos os problemas, a única hipótese que temos de nos proteger é evitando os alimentos ‘proibidos’. E é possível aprender a viver com estas limitações sem perder qualidade de vida? Felizmente, sim. Primeiro, porque já existem inúmeros alimentos alternativos, ou seja, que estão isentos dos perigos (leite sem , pão sem , etc.). Os meus filhos, por exemplo, são pouco tolerantes ao leite de vaca e eu encontro facilmente substitutos quando vou às compras.

Alimentos responsáveis por alergias e intolerâncias alimentares

Alergias alimentares

  • Leite
  • Ovos
  • Peixe
  • Marisco (crustáceos) e moluscos
  • Frutos de casca rija
  • Nozes
  • Trigo
  • Soja
  • Aipo
  • Tremoço
  • Mostarda

Intolerâncias alimentares

  • Glúten
  • Lactose
3 receitas com produtos biológicos

Quer saber se pode comer de tudo? A verdade é que já é possível realizar vários testes para identificar intolerâncias ou alergias, mas os médicos admitem que estes podem originar ‘falsos positivos’. Para ter a certeza sobre o que pode ou não comer, o melhor mesmo é ir vigiando as reações do corpo aos alimentos, sabendo que alguns sintomas podem demorar muito tempo a aparecer.

Cerca de 8% das crianças e 4% dos adultos em Portugal sofrem de alergias alimentares.

Fonte: Associação Portuguesa de Alergias e Intolerâncias Alimentares

Pelo que pude apurar, as alergias surgem maioritariamente em criança e acontecem de forma continuada ao longo de toda a vida, mas, em alguns casos, podem desaparecer – com exceção das que se referem às nozes, amendoins, peixe ou marisco – que são mais resistentes. E ninguém sabe explicar porquê. Quanto às intolerâncias, o melhor é ir avaliando a reação ao alimento não tolerado, uma vez que doses menores e distribuídas ao longo do dia poderão, eventualmente, não desencadear reações sintomáticas. Tudo considerado, se tem (ou desconfia que possa ter) uma alergia ou , vale a pena ter cuidados acrescidos quando come fora de casa e perder um bocadinho de tempo a ler bem os rótulos das embalagens no supermercado. 

Este é um tema que o interessa especialmente? Se tem qualquer dúvida, pergunte à nutricionista online. Nós ajudamos.

Diferença entre alergia e intolerância alimentar

A diferença entre alergias e intolerâncias (ou sensibilidades) alimentares está na forma como o corpo reage aos alimentos. A alergia provoca uma reação do sistema imunitário, que começa a produzir anticorpos para combater a suposta proteína ‘invasora’, o que resulta na libertação de histamina e outros químicos naturais, que acabam por causar inflamação. As intolerâncias podem surgir quando o organismo não possui a enzima necessária para digerir o alimento, afetam o sistema digestivo e, normalmente, causam apenas perturbações intestinais (gases, diarreia, prisão de ventre), náuseas e vómitos.

 O que é a doença celíaca? 

Doença autoimune que se caracteriza por uma reação imunológica contra o próprio intestino delgado quando se ingere glúten, uma substância constituída por proteínas que se encontram presentes em alguns cereais (trigo, centeio, cevada e aveia). Embora seja fácil de confundir, a doença celíaca não é uma alergia pois resulta de uma reação imunológica dirigida a estruturas do próprio organismo que é induzida pela ingestão de glúten.

Autor

Catarina Furtado