Alimentação macrobiótica:
o que é?

Por À Roda da Alimentação

A macrobiótica é um estilo de vida que procura estabelecer harmonia entre o corpo e a mente. Conheça a dieta que lhe está associada.

Os padrões alimentares são diversos, variando entre países, regiões e, mesmo, entre indivíduos inseridos na mesma cultura. A dieta macrobiótica, da qual nos últimos anos se tem ouvido falar mais, não é, na verdade, uma dieta da atualidade. A sua conceptualização remonta ao final dos anos 70 e hoje apresentamos as suas principais características.

Princípios da macrobiótica

Os princípios da macrobiótica defendem uma ecologia humana que respeite as necessidades individuais e as da sociedade, a favor de um mundo saudável, sustentável e equilibrado.

Um dos fatores mais importantes do regime macrobiótico é a sua culinária. Segundo o Instituto Macrobiótico de Portugal, a Alimentação Macrobiótica Padrão foi desenvolvida por Michio Kushi, no final dos anos de 1970. De uma forma resumida, este modelo alimentar privilegia os produtos locais, sazonais, menos processados, apresentados na sua forma inteira/integral.

Alimentação Macrobiótica Padrão

Não sendo considerada uma dieta vegetariana (porque inclui pescado), este modelo assenta maioritariamente em produtos de origem vegetal, tendo por base os integrais, complementados com hortícolas, leguminosas, algas e óleos vegetais.

O consumo de , ovos e produtos lácteos é opcional, deve ser esporádico ou fazer parte de um período de transição entre regimes.

No que toca a quantidades, segundo o padrão, a encarar apenas como referência, 50 a 60% da alimentação diária deve consistir em cereais integrais (, cevada, millet, , milho, trigo, centeio, trigo sarraceno, , bulgur, flocos de aveia, etc.).

A sopa é um dos pratos de eleição e deve ser consumida 1 a 2 vezes por dia, tendo por ingredientes base vegetais, cereais, leguminosas, algas ou peixe.

A dieta macrobiótica deve ainda integrar entre 25 a 35% de vegetais (cebolas, cenouras, abóbora, brócolos, couve, agrião, nabos, cogumelos, nabiças, etc.), cozinhados de forma apropriada. É importante que alguns sejam bem cozinhados e outros levemente ou consumidos crus. As batatas, tomates e beringelas são geralmente desaconselhados.

Entre 10 a 15% da alimentação deve consistir em leguminosas (grão-de-bico, , feijão azuki, feijão frade, feijão catarino, feijão manteiga, entre outros) e derivados (tofu, tempeh, natto) seitan, e algas (wakame, kombu, aramé, hiziki, nori entre outras).

A dieta macrobiótica inclui ainda sementes e frutos oleaginosos, da época, peixe, preferivelmente de carne branca, óleos e temperos de base vegetal, e condimentos para uso de mesa, em quantidades mínimas (sementes de sésamo, pickle de ameixa, tekka, etc.).

Na lista dos alimentos a evitar estão as carnes, ovos, produtos lácteos, , vegetais e frutos de origem tropical, e chá preto, e os alimentos refinados ou sujeitos a processos químicos.

Quer saber mais sobre este tema? Pergunte à Nutricionista Online.

Autor

À Roda da Alimentação