6 dicas para manter uma alimentação saudável em quarentena

Por if_coelho_sonaemc

Partilhar

Vivemos tempos difíceis, que implicam novos desafios para todos. Entre o turbilhão de preocupações, surgem muitas dúvidas sobre o que devemos ou não comer nesta altura. Aqui fica uma ajuda.

As de que se seguem foram inspiradas no documento ‘Novo Coronavírus Covid-19’, lançado pela Direção-Geral da Saúde ().

Dica 1

e legumes nunca são demais

Pôr mais legumes e fruta na mesa é sempre uma aposta ganha. Segundo a DGS, devemos comer, no mínimo, uma sopa de legumes ao almoço e outra ao jantar, e três peças de fruta, ao longo do dia. No que toca aos hortícolas frescos, o ideal é optar pelas variedades que duram mais tempo como é o caso das cenoura, cebola, courgette, abóbora, brócolos, couve-flor, feijão-verde e alho. Quanto aos congelados, importa recordar que também são uma ótima alternativa, pois mantém os valores nutricionais.

Sobre esta dica, vale a pena reler o post ‘5 boas ideias para pôr mais hortícolas no prato’.

Dica 2

Hidratação ao longo de todo o dia

Como todos sabemos, a água é essencial para o ótimo funcionamento do organismo. Neste momento, em que as rotinas foram, por certo, muito alteradas, é fundamental garantir que nos mantemos hidratados o dia inteiro. A DGS recomenda que se beba entre 1,5 (6 copos) e 1,9 litros (8 copos) de água por dia. Idealmente, devem evitar-se as bebidas açucaradas e preferir a água natural.

Sobre esta dica, vale a pena reler o post ‘Bora beber um copo… ou seis?’.

Dica 3

de regresso ao prato

Menos à vontade para fazer compras, tendemos a apostar mais nos enlatados. Dentro deste grupo, recomenda-se as leguminosas como o grão, o feijão, as ervilhas e as lentilhas. Se tiver tempo para os preparar, também pode optar por comprá-los secos. Seja em que formato for, as leguminosas são sempre uma boa escolha, pois são ricas em nutrientes importantes, como o ferro, zinco, cálcio, fósforo, potássio, vitaminas e ácido fólico.

Sobre esta dica, vale a pena reler a receita da atriz Helena Coelho, no post ‘A Helena ensinou-me a fazer gado-gado!’.

Dica 4

Vencer a tentação do açúcar e sal

Quando passamos mais tempo em casa, sobretudo em momentos de maior tensão, tendemos a resistir menos aos pequenos snacks ao longo do dia. Se forem palitos de cenoura, pepino ou aipo, não há problema… Agora, se forem aperitivos com excesso de açúcar e sal, exige-se moderação. A DGS recomenda, especialmente nesta altura, que se evitem os alimentos com elevada densidade energética e baixo valor nutricional.

Sobre esta dica, vale a pena rever o post ‘Sim, pode comer a qualquer hora’.

Dica 5

Todos para a cozinha!

Se tem companhia em casa neste período mais alargado de recolhimento, uma das formas mais interessantes de ocupar o tempo que sobra é levar toda a gente para a cozinha. Envolva os seus filhos, pais, outros familiares ou amigos que estejam consigo, na preparação de uma receita saudável. Esta é uma ótima altura para fazer alguma pedagogia sobre os alimentos que mais beneficiam a nossa saúde. E o resultado pode ser muito divertido.

Sobre esta dica, vale a pena reler a receita da chef  Joana Biscaya, no post ‘Esta é para fazer com os miúdos!’.

Dica 6

Andar mais à

O segredo de uma alimentação variada e equilibrada não tem muito que se lhe diga. O melhor orientador é a Roda dos Alimentos. Basta seguir os seus princípios. Em suma: comer em maior quantidade os alimentos dos grupos maiores e em menor número aqueles que integram as ‘fatias’ mais pequenas. E, sempre que possível, variar os ingredientes nas refeições. Não há como falhar.

Sobre esta dica, vale a pena rever o post ‘Siga esta dieta!’.

 

Para o bem de todos, o melhor de cada um.

Nesta situação de emergência, mantenha-se alerta. Cumpra as regras de higienização e de proteção, e siga criteriosamente as recomendações da Direção Geral de Saúde. Lembre-se ainda que é importante continuar a fazer uma alimentação saudável e a manter-se fisicamente ativo.

Autor

if_coelho_sonaemc