As bebidas vegetais em 5 respostas

Com Catarina Furtado

Há temas tão controversos que só podem ser devidamente esclarecidos com especialistas. É o caso das . E foi o que fiz.

As bebidas vegetais têm vindo a ganhar cada vez mais adeptos e já há quem as consuma como alternativa ao leite. Ultimamente, têm me colocado algumas dúvidas sobre o tema, por isso, decidi fazer as perguntas que achei pertinentes à equipa de nutricionistas do Continente. Aqui ficam as respostas. Espero que ajudem!

1. Quando falamos de bebidas vegetais, falamos exatamente de quê?

São bebidas de base vegetal, disponíveis numa variedade de opções no mercado. Alguns exemplos são as bebidas de soja, arroz, amêndoa, aveia, coco, quinoa, espelta.

Para além das versões regulares, existem versões reduzidas em açúcar ou sem açúcares adicionados, fortificadas com cálcio, com ingredientes de produção biológica e, ainda, versões aromatizadas, por exemplo, com chocolate ou baunilha.

Apesar de, comummente, serem referidas como ‘leites’ vegetais, o certo é que, nutricionalmente, as diferenças são grandes, entre si e entre as diversas versões, e sobretudo quando comparadas com o leite.

Na escolha das bebidas, é importante ler a lista de ingredientes e a informação nutricional.

2. As bebidas vegetais podem substituir o leite de vaca?

Do ponto de vista nutricional, não é possível olhar para as bebidas vegetais como equivalentes ao leite. Podem ser introduzidas como alternativa, mas não como substituto. Uma das principais diferenças é o baixo teor em proteínas, com exceção da bebida de soja, cujo teor é semelhante. Também a qualidade das proteínas vegetais difere das proteínas do leite de vaca, uma vez que apresentam uma composição mais reduzida em aminoácidos essenciais e, ainda, porque apresentam uma menor digestibilidade. Existem ainda diferenças no que diz respeito ao teor em cálcio, mesmo no caso das versões fortificadas, especificamente pela menor biodisponibilidade (capacidade de ser absorvido pelo organismo).

3. Que tipo de consumo é recomendável para este tipo de produtos?

Estas bebidas podem ser consumidas de diversas formas, e pela sua semelhança na textura são, frequentemente, consumidas tal qual o leite. É, contudo, importante reforçar que não vão aportar os mesmos nutrientes e que o sabor será também diferente. Podem ser bebidas ao natural, aromatizadas com café, cevada, cacau, ou servir de base para um batido de fruta ou papas de aveia.

4. Qual é a melhor maneira de escolher as bebidas vegetais?

Em primeiro lugar é importante olhar para a lista de ingredientes e optar pelas que não têm açúcares adicionados.

Dependendo das necessidades nutricionais, pode ser importante escolher as versões fortificadas com cálcio, ainda que a biodisponibilidade deste mineral possa ser diferente do que se regista no leite.

Deve ainda analisar-se a tabela da informação nutricional e optar pelas que apresentam menores teores de açúcar, gorduras, gorduras saturadas e sal.

5. Podemos dar estas bebidas a crianças?

Estas bebidas podem ser consumidas pelas crianças, mas desaconselha-se como um substituto do leite. Ainda não existem muitos estudos que nos deem informação consolidada sobre os riscos (ou ausência deles) da substituição do leite por bebidas vegetais, nem orientações para a escolha e consumo deste tipo de produtos.

No entanto, começam a ser descritos na literatura casos de associação de deficiências nutricionais em crianças que consomem bebidas vegetais, com destaque para o raquitismo, o kwashiorkor (um tipo de desnutrição grave causada por deficiência de proteínas) ou o escorbuto.

Foram também registados casos de estatura média mais baixa em crianças que consumiam estas bebidas em detrimento do leite, sem as devidas compensações nutricionais. Importa referir que deve dar-se preferência a uma alimentação variada, onde ambos os produtos podem estar integrados.

Quer saber mais sobre este tema, pergunte à nutricionista online.

Autor

Catarina Furtado