Uvas de mesa: em setembro, de certeza!

Por À Roda da Alimentação

As chamadas «uvas de mesa» são aquelas que encontramos no seu estado mais fresco, disponíveis no supermercado. Setembro é por excelência o mês ideal para as saborearmos.

Toda a gente sabe que a uva é o fruto da videira. No entanto, é menos evidente a quantidade de diferenças existentes entre as uvas de mesa e as uvas para fazer vinho. Na verdade, não podemos pô-las todas dentro do mesmo saco. As uvas de mesa distinguem-se das outras devido à sua composição química e a uma série de características, nomeadamente o bago, a polpa, a película, entre outros fatores.

À semelhança do que acontece com certas frutas, nomeadamente as cerejas, as uvas só devem ser colhidas quando atingiram o grau de maturação ideal, caso contrário já não amadurecem.

Apesar de serem normalmente consumidas ao natural, esta é uma versátil, que se pode incluir em pratos doces ou salgados, como saladas, assados ou . E sendo tão práticas de transportar, constituem uma excelente opção para levar na lancheira da miudagem, que agora se prepara para ir para a escola.

Benefícios das uvas de mesa portuguesas    

Segundo a Roda da Alimentação Mediterrânica, devemos comer 3 a 5 porções de fruta diariamente, visto que a sua ingestão é uma garantia de consumo de fundamentais para a saúde, nomeadamente fibra, vitaminas, minerais e compostos antioxidantes, que promovem o bom funcionamento do organismo.

Se tivermos um cachinho de uvas com cerca de 12 bagos, o que corresponde mais ou menos a 160 g, estamos assim no bom caminho para alcançar os 400 g de frutas e hortícolas recomendados diariamente pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, o Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física 2015-2016 concluiu que os portugueses consomem cerca de 131 g de fruta por dia, sendo o consumo mais elevado no grupo dos idosos, mas muito menos adequado entre as crianças e os adolescentes.

Além destes nutrientes fundamentais, as frutas e hortícolas contribuem para a o bom funcionamento do intestino e para a redução do risco de doenças cardiovasculares, doenças oncológicas, obesidade e diabetes. Por outro lado, são um excelente reforço do sistema imunitário, bem como contribuem para manter uma boa hidratação, uma vez que são ricos em água.

As uvas contêm ainda polifenóis (incluindo as antocianinas, pertencentes ao grupo dos flavonoides), cujo efeito já se revelou bastante benéfico para o organismo, pois exercem um efeito protetor na atividade celular, principalmente contra oxidações indesejáveis, ajudando a fortalecer o .

Uvas de mesa: variedades

Em Portugal, as uvas de mesa são provenientes do , da zona Centro – Ribatejo e região do Oeste – e, com menos representatividade, também do Algarve. Destas regiões surgem vários tipos de uvas com cores distintas e variados graus de e de acidez. Há variedades de uvas pretas, brancas e com um tom rosado, podendo também ter ou não grainhas. As uvas sem grainha, com bastante êxito em Portugal, enquadram-se nos chamados frutos apirénicos, ou seja, frutos desprovidos de sementes (ou com um número delas muito reduzido). Este género de uvas não sofre qualquer mutação genética, mas é antes, ao contrário do que muitas pessoas pensam, o resultado de uma mutação natural.

Todas as variedades de uvas são constituídas por cachos e cada um contém sempre duas partes: o engaço (parte lenhosa) e os bagos. Estas variedades têm todas um nome, e vale bem a pena saber qual é para perceber exatamente o que está a comprar:

  • Uva preta sem grainha: Crimson
  • Uva preta com grainha: Cardinal
  • Uva rosada com grainha: Red Globe
  • Uva branca com grainha: Victoria
  • Uva branca com grainha: Dona Maria
  • Uva preta com grainha: Michele Palieri
  • Uva branca sem grainha: Sugraone

Uvas de mesa: escolha e conservação

Quando comprar uvas, verifique se os materiais que as acondicionam estão limpos e sem elementos estranhos. Considerando que são um alimento perecível – ou seja, devido à quantidade de água que contêm deterioram-se com mais facilidade –, o ideal é comprar apenas a quantidade que vai consumir.

Antes da compra verifique se os cachos e os bagos não têm humidades, odores ou matérias estranhas. Os bagos devem estar firmes, inteiros, bem formados, desenvolvidos e uniformemente agarrados ao engaço. As uvas devem ser muito bem lavadas, podendo idealmente retirá-las do cacho e comer os bagos separados do engaço.

Bom apetite!

Fonte: Associação Portuguesa de Nutrição, Uva de mesa – aspetos nutricionais e de saúde, 2021

Autor

À Roda da Alimentação