Há temas tão controversos que só podem ser devidamente esclarecidos com especialistas. É o caso das bebidas vegetais. E foi o que fiz.

As bebidas vegetais têm vindo a ganhar cada vez mais adeptos e já há quem as consuma como alternativa ao leite. Ultimamente, têm me colocado algumas dúvidas sobre o tema, por isso, decidi fazer as perguntas que achei pertinentes à equipa de nutricionistas do Continente. Aqui ficam as respostas. Espero que ajudem!

1. Quando falamos de bebidas vegetais, falamos exatamente de quê?

São bebidas de base vegetal, disponíveis numa variedade de opções no mercado. Alguns exemplos são as bebidas de soja, arroz, amêndoa, aveia, coco, quinoa, espelta. Para além das versões regulares, existem versões reduzidas em açúcar ou sem açúcares adicionados, fortificadas com cálcio, com ingredientes de produção biológica e, ainda, versões aromatizadas, por exemplo, com chocolate ou baunilha. Apesar de, comummente, serem referidas como ‘leites’ vegetais, o certo é que, nutricionalmente, as diferenças são grandes, entre si e entre as diversas versões, e sobretudo quando comparadas com o leite. Na escolha das bebidas, é importante ler a lista de ingredientes e a informação nutricional.

2. As bebidas vegetais podem substituir o leite de vaca?

Do ponto de vista nutricional, não é possível olhar para as bebidas vegetais como equivalentes ao leite. Podem ser introduzidas como alternativa, mas não como substituto. Uma das principais diferenças é o baixo teor em proteínas, com exceção da bebida de soja, cujo teor é semelhante. Também a qualidade das proteínas vegetais difere das proteínas do leite de vaca, uma vez que apresentam uma composição mais reduzida em aminoácidos essenciais e, ainda, porque apresentam uma menor digestibilidade. Existem ainda diferenças no que diz respeito ao teor em cálcio, mesmo no caso das versões fortificadas, especificamente pela menor biodisponibilidade (capacidade de ser absorvido pelo organismo).

3. Que tipo de consumo é recomendável para este tipo de produtos?

Estas bebidas podem ser consumidas de diversas formas, e pela sua semelhança na textura são, frequentemente, consumidas tal qual o leite. É, contudo, importante reforçar que não vão aportar os mesmos nutrientes e que o sabor será também diferente. Podem ser bebidas ao natural, aromatizadas com café, cevada, cacau, ou servir de base para um batido de fruta ou papas de aveia.

 

4. Qual é a melhor maneira de escolher as bebidas vegetais?

Em primeiro lugar é importante olhar para a lista de ingredientes e optar pelas que não têm açúcares adicionados. Dependendo das necessidades nutricionais, pode ser importante escolher as versões fortificadas com cálcio, ainda que a biodisponibilidade deste mineral possa ser diferente do que se regista no leite. Deve ainda analisar-se a tabela da informação nutricional e optar pelas que apresentam menores teores de açúcar, gorduras, gorduras saturadas e sal.

 

5. Podemos dar estas bebidas a crianças?

Estas bebidas podem ser consumidas pelas crianças, mas desaconselha-se como um substituto do leite. Ainda não existem muitos estudos que nos deem informação consolidada sobre os riscos (ou ausência deles) da substituição do leite por bebidas vegetais, nem orientações para a escolha e consumo deste tipo de produtos. No entanto, começam a ser descritos na literatura casos de associação de deficiências nutricionais em crianças que consomem bebidas vegetais, com destaque para o raquitismo, o kwashiorkor (um tipo de desnutrição grave causada por deficiência de proteínas) ou o escorbuto. Foram também registados casos de estatura média mais baixa em crianças que consumiam estas bebidas em detrimento do leite, sem as devidas compensações nutricionais. Importa referir que deve dar-se preferência a uma alimentação variada, onde ambos os produtos podem estar integrados.

Your Content Goes Here

Your Content Goes Here

Your Content Goes Here

Comentários14

  1. Arlete Camões 15/08/20 14:34 | 25.10.2019 6:23 AM

    Olá Catarina! Muita gente continua a não compreender que o único leite que um ser humano deve beber, e esse sim, é um maravilhoso alimento, é o leite materno e não o leite de vaca ou de qualquer outro animal…. que, naturalmente, é adequado às respetivas crias. É preciso saber de que “especialistas” estamos a falar, e se não têm ligação com a indústria alimentar, basta ver as empresas que patrocinam a ordem dos nutricionistas. E onde foram buscar que as pessoas que bebem bebidas vegetais têm carências??…
    Beijinho

    Responder
    1. Catarina Furtado
      Catarina Furtado 15/08/20 14:34 | 28.10.2019 11:08 AM

      Bom dia, Arlete Camões. Obrigado pelo seu comentário. Vou pedir a um especialista do Continente que nos ajude a esclarecer esta questão. Beijinhos.

      Responder
    2. Especialista Continente
      Especialista Continente 15/08/20 14:34 | 28.10.2019 11:10 AM

      Olá Arlete Camões!

      O leite é um alimento muito rico do ponto de vista nutricional, no que diz respeito ao seu teor e tipo de proteínas, composição em vitaminas e minerais, e que podemos incluir na nossa alimentação saudável. As bebidas vegetais estão também aptas a ser integradas numa alimentação equilibrada, contudo não fornecem os mesmos nutrientes que o leite.

      Durante a infância, o leite e os laticínios assumem um papel preponderante na nutrição das crianças, pela biodisponibilidade dos seus nutrientes e importância no crescimento e desenvolvimento. A substituição do leite por bebidas vegetais pode ser uma opção, desde que feitas as devidas compensações de forma a garantir um aporte adequado de nutrientes

      Obrigado.

      Responder
      1. Francisco Pinto 15/08/20 14:34 | 03.11.2019 10:03 PM

        “Papel preponderante na nutrição das crianças”? Oi? Quando a indústria da agricultura pretende obter lucros, nada melhor do que implementar estas falácias no mercado, sobretudo envolvendo crianças, para criar uma imagem correta e inocente!
        O leite cria muito mais problemas do que soluções. A intolerância à lactose é um facto e não é necessário sermos “especialistas” para nos apercebermos de que os lacticínios são completamente inúteis, havendo correlação direta entre o seu consumo e os vários problemas problemas de saúde e desconfortos intestinais e hormonais.

        Responder
        1. Carolina Saldanha 15/08/20 14:34 | 05.11.2019 11:51 AM

          O benefício do leite na nutrição das crianças é um facto científico e consensual na comunidade médica.

          A intolerância ao leite é um facto para quem é intolerante, tal como a intolerância ao marisco para quem é intolerante ao marisco.
          Mais informação nunca fez mal a ninguém. Alimente-se disso em vez de teorias da conspiração que apenas servem para propagar mentiras nas caixas de comentários.

          Responder
  2. Arlete Camões 15/08/20 14:34 | 30.10.2019 8:15 AM

    Obrigada pelas respostas. Claro que, pensando em substituições, não são comparáveis; o que penso é que, após o desmame, não há necessidade de beber qualquer leite, até porque vamos perdendo naturalmente a capacidade de o digerir. Sou vegana há anos e até posso consumir ocasionalmente um “leite” de amêndoas ou outro, mas muitas vezes eles são consumidos como uma espécie de compensação emocional do velho hábito de beber leite, é um paradigma alimentar de muitos anos.
    Beijinhos e continuação de bom trabalho

    Responder
  3. Arlete Camões 15/08/20 14:34 | 30.10.2019 8:22 AM

    Já agora, acontece o mesmo com muitos produtos industrializados “substitutos” da carne, que muitas vezes de saudável não têm nada… Um vegano não está interessado em lembrar-se de carnes, o que quer é alimentar-se de forma diferente, á base de produtos da terra e não á custa do sacrifício de outros animais. Sem fundamentalismos, é uma opção pessoal…
    Beijinhos

    Responder
  4. Deolinda Carvalho 15/08/20 14:34 | 07.11.2019 8:51 AM

    Eu consumi leite materno até fazer um ano, nunca mais bebi leite, o mesmo se passou com as minhas irmãs. Nunca tivemos carência de cálcio nem qualquer défice nutricional, pois sempre fizemos uma alimentação equilibrada, de acordo com a roda dos alimentos, comíamos queijo mas leite não. Tenho 50 anos, e , tendo como referência a minha experiência pessoal e a das minhas irmãs, decidi criar o meu filho com o mesmo tipo de alimentação. Quando se tem uma alimentação equilibrada em todos os nutrientes, se

    Responder
    1. Carla Maria 15/08/20 14:34 | 11.11.2019 11:21 AM

      Não bebe leite mas come queijo que vai dar ao mesmo. A roda dos alimentos fala em LATICÍNIOS que engloba leite, queijo, iogurtes. Se não bebe leite e come queijo vai dar ao mesmo.

      Responder
  5. Deolinda Carvalho 15/08/20 14:34 | 07.11.2019 9:20 AM

    Quando se tem uma alimentação desequilibrada, o leite, enquanto alimento completo é ótimo, mas quando como no meu caso se pratica a alimentação mediterrânica rica em legumes, leguminosas, azeite, queijo, peixe, carne com moderação, enfim uma alimentação completa, o consumo de leite não é necessário. Na minha família, desde avós, pais, eu e as minhas irmãs e agora o meu filho, só consumimos leite até aos dois anos de idade., e não temos qualquer tipo de carência de nutrientes.
    Beijinhos.

    Responder
  6. Fernando Oliveira 15/08/20 14:34 | 23.11.2019 11:05 PM

    É urgente e indispensável focalizar a discussão sobre o que comemos e bebemos nas técnicas de alimentação baseadas em químicos e compostos hormonais sintéticos, nos adubos foliares, no aromatizantes, na vasta gama de venenos que o nosso organismo não consegue eliminar.
    Mas mais grave é vir aqui constatar a ignorância total de muitos médicos nestas matérias.

    Responder

Adicionar comentário

Não perca pitada
das nossas novidades