Nem todas as carnes brancas são realmente magras e nem todas as vermelhas são mais calóricas. Vamos lá perceber isto melhor.

Como tenho vindo a escrever por aqui, a carne é muito importante para uma dieta saudável, desde que consumida com moderação. Como, de resto, se recomenda com todos os alimentos.

A carne é fonte de minerais (ferro, zinco, fósforo e potássio) e vitaminas, sobretudo do complexo B, e contém proteínas de elevado valor biológico, importantes para a criação e fortalecimento das fibras musculares.

Mas a carne não é toda igual. Como pude apurar junto da equipa de nutricionistas do Continente, o teor de gordura e a forma como se distribui, varia em função da espécie, da época do ano, alimentação do animal, corte selecionado, entre outros fatores. Por norma, fazemos a distinção entre as carnes magras, globalmente chamadas carnes brancas, e as carnes gordas, denominadas por carnes vermelhas. A diferença de cor deve-se à concentração de mioglobina, proteína responsável pelo tom avermelhado mas não tem relação com a quantidade de gordura. Contudo, é um facto que no caso das aves, por exemplo, a gordura está distribuída sobretudo de uma forma superficial, sendo possível rejeitar com maior facilidade a gordura associada à pele quando a mesma é removida.

Entre as carnes brancas incluem-se as aves (frango, peru, galinha) e o coelho. Por sua vez, as carnes vermelhas abrangem a carne de vaca, borrego, cabrito e carneiro. A carne de porco, embora tenha menos mioglobina, também é considerada uma carne vermelha pela Organização Mundial da Saúde.

Embora seja comum pensar-se que as carnes vermelhas possuem sempre mais gordura, é importante saber que o valor nutricional da carne pode ser alterado, em função do corte e respetivo modo de preparação. Por exemplo, as carnes de aves são consideradas mais magras, mas apenas se lhes retirarmos a pele e as gorduras visíveis. E a carne de porco não é forçosamente mais gorda do que a carne de frango. Tudo depende da ‘peça/parte’ que escolhermos. Alguns cortes de carne de porco têm níveis de gordura semelhantes aos de algumas carnes brancas. É o caso do lombo e perna de porco que podem apresentar um teor de gordura inferior ao da perna de frango com pele.

No caso da carne de vaca, as peças mais magras são o lombo e vazia, a alcatra, o acém redondo e o pojadouro. O mais importante é mesmo saber escolher!

Your Content Goes Here

Your Content Goes Here

Your Content Goes Here

Comentários11

  1. Fernando Oliveira 14/08/20 19:08 | 22.11.2019 9:14 PM

    Gostava muito de ouvir os senhores especialistas do Continente a falar, mas com absoluta verdade, sobre a relação preço/benefício que a administração de compostos químicos e hormonais no peso e crescimento da vaca, do porco e das aves.
    Esse é um submundo de crime de saúde pública de que ninguém fala, nem quer falar.
    O carácter de alimento natural e saudável para os animais e para a gigantesca massa humana que os consome na alimentação é que é a pedra de toque, dado que muitos desses venenos não conseguem ser eliminados pelo organismo humano.
    E no caso da vaca é toda uma cadeia alimentar que também afecta os seus derivados, o leite, os lacticínios, a doçaria, etc.
    Falem com VERDADE, por favor. Até porque a vossa responsabilidade é tanto maior quanto maior os conhecimentos científicos, versus realidade no terreno.

    Responder
    1. Anónimo 14/08/20 19:08 | 03.12.2019 10:25 AM

      okaaay

      Responder
  2. Joaquim Campos 14/08/20 19:08 | 23.11.2019 12:34 PM

    Muito obrigado por este esclarecimento tão importante

    Responder
  3. Fernando Oliveira 14/08/20 19:08 | 23.11.2019 10:37 PM

    Por favor, um esclarecimento.
    Esta caixa de comentários é um espaço de liberdade ou estou enganado ?
    É que fiz um comentário, não faltei ao respeito a ninguém, e, pelos vistos, não passou na Comissão de Censura ?
    Ou o arbítrio é apenas da Senhora Catarina Furtado ?

    Se não for esclarecido, reservo o direito de denunciar esta situação por todos os meios legais.

    Responder
  4. Especialista Continente
    Especialista Continente 14/08/20 19:08 | 28.11.2019 12:26 PM

    Olá Fernando,

    Obrigado pelo seu comentário. Este é um espaço em que, com o suporte de uma equipa de especialistas, ajudamos os nossos leitores a alimentar-se melhor. Desmistificamos mitos, esclarecemos questões técnicas relacionadas com nutrição e damos dicas e truques de como implementar um estilo de vida mais equilibrado no dia-a-dia, sendo que baseamo-nos no Guia Alimentar Nacional – a Roda dos Alimentos Mediterrânica. Contudo, cada um é livre de adotar outras premissas que considerar mais relevantes para a sua alimentação.”

    Responder
    1. Fernando Oliveira 14/08/20 19:08 | 02.12.2019 10:11 PM

      Desculpe, mas não responde a uma única das questões sérias que suscitei.
      A sua resposta assemelha-se a uma resposta/tipo, despida de conteúdo concreto, que foge ao debate, refugiando-se num Guia com mais intenções comerciais e de propaganda do que rigorosas e científicas.

      Responder
      1. Diogo Pereira 14/08/20 19:08 | 03.12.2019 10:24 AM

        Fixe

        Responder
      2. Pedro Silva 14/08/20 19:08 | 03.12.2019 10:27 AM

        as suas questões não têm nada de sério. Revelam uma profunda ignorância, nenhuma base científica e muita teoria da conspiração. Trate-se.

        Responder
  5. Diogo Pereira 14/08/20 19:08 | 03.12.2019 10:23 AM

    Muito bem, agora a Diana vai ficar magra

    Responder
  6. Diogo Pereira 14/08/20 19:08 | 03.12.2019 10:24 AM

    Oi

    Responder
  7. Gucci 14/08/20 19:08 | 04.12.2019 12:19 PM

    olá

    Responder

Adicionar comentário

Não perca pitada
das nossas novidades