Hoje celebra-se o Dia Mundial da Poupança e eu tenho cinco dicas que nos ajudam a poupar tempo, dinheiro e a combater o desperdício. Tudo isto sem nos esquecermos de alimentar melhor.

1. ORGANIZAÇÃO. DÁ TRABALHO, MAS FAZ DIFERENÇA

Quantas vezes não vai à despensa e repara que tem três pacotes de arroz e nem um de esparguete. Abre o frigorífico e é só cenouras. Pimentos, nem vê-los. Acontece a todos, mas pode ser evitado. Escreva, aponte, faça uma lista! Sempre que acaba alguma coisa lá em casa, estamos todos instruídos para anotar essa falta num bloquinho que mantemos na cozinha. É um costume velhinho, mas que continua a fazer todo o sentido. Assim, quando é preciso, a lista de supermercado está praticamente pronta.

Se conseguir arranjar tempo, o que nem sempre é fácil (sei bem), o ideal mesmo é planear com antecedência as refeições da semana, para comprar apenas os ingredientes necessários e evitar as compras por impulso.

Ainda no que toca à organização (uma coisa que, admito, adoro fazer porque também me ajuda a ‘arrumar’ a mente), sugiro que no regresso a casa com as compras, tente arrumar os alimentos de forma adequada dentro do frigorífico. Na despensa, opte por separar os artigos de acordo com o seu género e com a frequência de utilização.

E para evitar tragédias, naquelas noites em que põe em dia as séries ‘a não perder’ ou nos fins de semana de carências súbitas, em que, mais ou menos, comemos o que temos à frente, é importante manter alguns snacks saudáveis à vista. Assim, não fica com tanto peso na consciência.


2. COMPRAS. E TRUQUES PARA AS FAZER MELHOR

Todos já ouvimos isto, mas nem sempre lhe damos o devido crédito: não é boa ideia ir ao supermercado com o estômago vazio. Segundo vários artigos que li, a sensação de fome leva-nos a fazer escolhas precipitadas e pouco acertadas para a nossa saúde, pelo que é importante saciar antes o apetite.

Na secção dos frescos, além dos que costuma comprar, não se esqueça de levar também os da época que, habitualmente, têm um preço mais acessível.

Aproveite as promoções (vale a pena espreitar os folhetos antecipadamente) para aumentar o stock daqueles alimentos que é bom ter sempre em casa, como os enlatados e congelados, que têm maior validade e podem resolver uma refeição, em qualquer momento.

Para evitar o desperdício, compre em quantidades ajustadas às necessidades da sua família.

Não agarre logo nos produtos refrigerados (iogurtes, queijos frescos, etc.) e congelados. Deixe esta seleção para o fim das compras. Assim, garante melhores condições de preservação e evita chegar às caixas com o carrinho a pingar.

catarina furtado

Tire mais partido do seu frigorífico! 

Os frigoríficos têm ligeiras diferenças de temperatura no interior para armazenar alimentos com diferentes necessidades de conservação.

  • ZONA SUPERIOR
    (MAIS FRIA)
    Iogurtes, queijos e alimentos cozinhados.

  • ZONA INTERMÉDIA
    Carne e pescados, produtos de charcutaria, ovos, conservas abertas e produtos de pastelaria.

  • ZONA INFERIOR
    (MENOS FRIA)
    Produtos em descongelação.

  • GAVETAS INFERIORES
    Hortícolas, fruta e leguminosas frescas.

  • PRATELEIRAS DA PORTA
    Água, leite, manteiga, cremes vegetais.

dicas

Todos os anos, o mundo desperdiça cerca de um terço dos alimentos produzidos.

Fonte: Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO)

Todos os anos, o mundo desperdiça cerca de um terço dos alimentos produzidos.

Fonte: Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO)

3. TEMPO. HÁ POUCO, HÁ QUE USÁ-LO BEM 

O tempo é um bem escasso, todos sabemos. Por isso, há que saber aproveitá-lo, dedicando-o ao que realmente interessa, como a saúde.

 A menos que seja para comprar os legumes da salada indispensável que acompanhará o jantar, evite ir às compras a correr porque, normalmente, a pressa leva-nos a fazer compras irrefletidas.

Tente planear o seu tempo, de forma ir ao supermercado sem urgências. Leia bem os rótulos, consulte os semáforos nutricionais, encontre as promoções, conheça as novidades… enfim, tente fazer escolhas esclarecidas e acertadas.


4. REGRAS. À MESA NÃO DEVEM FALHAR 

Muitas vezes, sem nos apercebermos, os hábitos que temos à mesa podem não ser os mais adequados. Por exemplo, pôr os temperos (sal, azeite, molhos, etc.) sobre a toalha aumenta a possibilidade de cometermos excessos. É mais difícil resistir à tentação se ela estiver mesmo à nossa frente, não é?!

Quando temos filhos, também é importante definir regras de permanência, para todos, até ao fim da refeição. Não só porque isso estimula a atenção para o que está no prato, mas também porque oferece mais oportunidades para as conversas. As refeições são um tempo precioso de convívio que deve ser aproveitado. E ajuda muito se os telemóveis, ou outras fontes de distração, forem proibidos de participar. Aqui em casa é lei: não há telemóveis durante as refeições ou televisão ligada enquanto estamos a comer (nem sequer para ver a mãe ou o pai).


5. IMAGINAÇÃO. A ARTE DE REAPROVEITAR

Útil em qualquer circunstância da vida, a imaginação é uma ótima ferramenta para combater o desperdício alimentar que, infelizmente, já atinge as toneladas, todos os anos.

Uma alimentação saudável não significa comer sempre o mesmo. Seja criativo e tente não repetir refeições, sem aumentar o orçamento. Sobrou frango guisado do jantar de ontem? Desfaça-o e ponha-o numa salada. Há carne assada a mais? Pique-a e use num empadão. As bananas estão a ficar muito maduras? Faça-se um batido para o pequeno-almoço (eu, por exemplo, faço bastantes).

A Internet pode dar uma ótima ajuda com propostas para o que fazer com os restos. E se de repente não lhe surgir nenhuma ideia sobre como dar conta daqueles brócolos cozidos que sobraram do almoço, congele. Podem bem vir a servir na sopa que se fizer no próximo fim de semana.

Tem uma dúvida ou uma pergunta? Partilhe abaixo, estamos aqui para lhe responder.

Your Content Goes Here

Your Content Goes Here

Your Content Goes Here

Comentários10

  1. Anabela Lobão 10/07/20 02:45 | 31.10.2019 4:52 PM

    Adorei as dicas de hoje. Ficaram registadas e serão para lembrar sempre que for ás compras.
    Obrigada Catarina. 🙂

    Responder
  2. Carla 10/07/20 02:45 | 01.11.2019 11:47 PM

    achei este artigo muito interessante

    Responder
  3. Catarina Furtado
    Catarina Furtado 10/07/20 02:45 | 04.11.2019 1:04 PM

    Obrigada pelas vossas palavras. É muito importante combatermos o desperdício. Não só por questões económicas mas, sobre tudo, por questões de sustentabilidade.

    Responder
  4. Luisa Garabito 10/07/20 02:45 | 03.12.2019 5:54 PM

    Excelentes Dicas
    Obrigada

    Responder
  5. Astrogildo 10/07/20 02:45 | 25.03.2020 6:27 PM

    Obrigado pelas dicas, no entanto alerto para o seguinte:
    O leite é um alimento muito sensível, tanto a cheiros como a alterações de temperatura. Nunca devemos colocar o leite na porta do frigorífico pois aí ele está sujeito a maiores variações de temperatura.
    o Leite deve estar sempre nas prateleiras intermédias, tal como os ovos que são alimento de sensibilidade semelhante.

    Responder
  6. Fernanda Nunes 10/07/20 02:45 | 21.06.2020 10:46 PM

    Gostei muito de todas as dicas que li, vou sem dúvida reorganizar-me…

    Responder
    1. Especialista Continente
      Especialista Continente 10/07/20 02:45 | 23.06.2020 5:14 PM

      Não desista, Fernanda Nunes. O difícil é começar. Depois torna-se um hábito.

      Responder

Adicionar comentário

Não perca pitada
das nossas novidades